Posts Tagged ‘Portaria 303’

Suspender não é suficiente: COIAB exige a imediata revogação da Portaria 303 da AGU.

Wednesday, January 16th, 2013

Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira – COIAB

A Funai anuncia que a AGU vai suspender os efeitos da portaria, mas não garante revogação .
A luta contra a portaria continua importante.

Suspender não é suficiente: COIAB exige a imediata revogação da Portaria 303 da AGU.
A Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira-COIAB, vem de público exigir a imediata revogação da Portaria 303 da Advocacia Geral da União (AGU) que orienta os órgãos do governo federal a aplicar as condicionantes decididas pelo Supremo Tribunal Federal na demarcação da TI Raposa Serra do Sol/RR, para todas as terras indígenas do país. Somente a SUSPENSÃO dos efeitos como anunciado, não é suficiente. Exigimos sua revogação.

De forma arbitrária, essa Portaria antecipa a decisão final do Supremo Tribunal Federal sobre o caso e estabelece seu efeito vinculante as demais terras indígenas, expressamente negado recentemente pelo Ministro Ricardo Lewandowski, numa Reclamação do Município de Amarante/MA contra portarias da Funai.

A Portaria, o que é ainda mais grave, questiona a validade de tudo o que já foi feito em relação à demarcação das terras indígenas. Isso quer dizer que inclusive as terras já demarcadas, poderiam ser revistas. Ela atende assim plenamente as expectativas dos grileiros de se apossarem definitivamente das terras indígenas.

A inciativa da AGU rasga todas as letras da Carta Magna do país e com ela os direitos indígenas reconhecidos pela Constituição Federal e pela Convenção 169 da OIT e afronta a memória das numerosas lideranças indígenas mortas pelo latifúndio, que entregaram a vida para assegurar a terra sagrada para o futuro de seus povos. Com as incertezas levantadas sobre a legalidade da demarcação das terras indígenas estimula irresponsavelmente uma nova onda de violência contra os povos indígenas.

Essa portaria faz parte de uma série de iniciativas, tomadas no âmbito do Executivo e do Legislativo que visam desconstruir os direitos dos povos indígenas, das comunidades tradicionais e da natureza, a exemplo das Portarias Interministeriais 420 a 424, que estabelecem prazos irrisórios para a Funai se posicionar frente aos Estudos de Impactos e licenciamento de obras, da mudança do Código Florestal para facilitar a exploração da natureza e da PEC 215 para inviabilizar a demarcação das terras indígenas. A finalidade é remover os chamados obstáculos ao desenvolvimento, com a incorporação de novas terras para o agronegócio e facilitar o acesso e a super exploração dos recursos naturais.

As terras indígenas e a luta dos povos indígenas para manterem seus projetos próprios de vida resistem contra essa perspectiva insustentável do ponto de vista social e ambiental. Na região sul da Amazônia, por exemplo, é facilmente percebível como as terras indígenas aparecem como verdadeiros oásis verdes em meio a terra arrasada pelo latifúndio, sem florestas e sem gente.

A luta pela revogação da Portaria 303, contra a PEC 215 e em defesa das terras indígenas, por isso, não é só dos povos indígenas, mas de todos aqueles que estão preocupados em assegurar condições dignas de vida para as futuras gerações.

Open Letter regarding alarming Rights Law”Ordinance 303 : Articulation of Indigenous Peoples of Brazil

Saturday, September 8th, 2012

Open Letter of the Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Articulation of Indigenous Peoples of Brazil) APIB

Translated from Portuguese by EARTH PEOPLES

Open Letter from APIB about the suspension of the Ordinance 303 and the government’s proposal to create a working group (WG) to discuss the constraints to demarcations of indigenous lands

The National Directorate of APIB met this week in Brasilia and issued an open letter which expresses once more its position on the suspension of Ordinance 303 and the government’s proposal to create a working group (GT) to discuss the conditions imposed on Raposa Serra do Sol, and that the AGU has unconstitutional plans regarding the extention of remaining Indian lands.

Read the letter below:

Circular APIB/005/2012

Brasília-DF, September 5, 2012.

APIB position on the suspension of Ordinance 303 and the government’s proposal to create GT to discuss the constraints/conditions

Dear relatives,

As is known to all and all, the Federal Government, through the Attorney General’s Office (AGU), published on July 17 of this year the Ordinance 303, whose purpose would be to regulate the activity of the Attorney General’s Office units in relation to institutional safeguards indigenous lands. The Ordinance is almost literally a transcription of the constraints imposed by the Federal Supreme Court (Supremo Tribunal Federal -STF) on Petition 3388-Roraima (the Raposa Serra do Sol case).

The immediate reaction of APIB was publicly express their outrage and demand the immediate and complete repeal of this authoritarian act, misguided and unconstitutional of the government because it blatantly disregards the original rights of our people, that are guaranteed by the Constitution and international instruments such as the ILO Convention 169, which is law in Brazil since 2004, and the UN Declaration on the Rights of Indigenous Peoples.

Several institutions, governmental and non-governmental organizations, personalities, organizations and social movements manifested themselves in the same direction. Special repercussions had the distinct manifestations and demonstrations from indigenous peoples and organizations in different regions of the country (Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amapá, Pará, Amazonas, Maranhão etc.), Including in Brasilia, where delegations coming from Bahia , Mato Grosso do Sul, Tocantins and Goias occupied the headquarters of the Attorney General’s Office, events that forced the government to talk with the indigenous movement at various times. All these delegations also mobilized along the following governmental organs: Ministry of Justice, Funai, Ministry of Health, Senate, House of Representatives and STF.

At these events totaled up manifestos of leaders who make up the Executive Committee of the Environmental Management Project on Indigenous Lands (GATI), former Indigenous Gef, the Forum of Chairs of the District Councils (CONDISIs) and the indigenous arm of the National Indigenous Policy ( CNPI). The plenary of the Committee, which included the governmental arm, approved a resolution that recommends to the AGU the repeal of Ordinance 303.

All demonstrations demanded the repeal of the Ordinance, ignoring the AGU’s proposal to temporarily suspend it until the 24th of September.

The fights, however, continue. Many other movements and manifestos must happen even in the south, northeast and north.

In response to actions of outrage and pressure of our people and communities requesting the repeal – the Government proposes;

1) Suspension of Ordinance 303 “until trial motion for clarification of positions against the judgment of the Supreme Court which dismissed the lawsuit on the Raposa Serra do Sol”

2) “The creation of a Working Group composed of the Ministry of Justice, AGU, Funai, and representatives of indigenous peoples, in order to discuss the conditions set out in Ordinance 303/2012 and other enabling processes dealing with land demarcation of indigenous peoples “

These proposals were formalized in writing by the Minister of Justice to a delegation of leaders from Mato Grosso on Friday, August 31.

The position APIB, that met in Brasilia from 03 to 06 September is deeply opposed to these proposals for the following reasons:

1) Just a suspension of the Ordinance 303 does not solve anything, because it maintains the latent risks of widespread land conflicts in the country. That is, it won’t end the legal political and social insecurity caused and sponsored by the landowners, agribusiness and other industries (mining, construction companies, energy sector) that are interested in our territories and their riches. The suspension won’t lead to lower the expectations of invaders that continue invading, nor will it encourage them to return our lands, including those already approved (as our lands) but are invaded.

APIB understands that the suspension only favors the government, which seeks to preserve the image of the AGU Minister Luis Inacio Adams, who is a strong candidate to fill a vacancy on the Supreme Court (STF).

2) The creation of a working group (GT) to discuss the reduction of our rights, especially land rights, is absurd. To discuss constraints, away from that they have been created for the specific case of Raposa Serra do Sol, that are clearly harmful and can not be generalized to all Indigenous lands in the country. Moreover, the Supreme Court, to judge the motion of the Raposa Serra do Sol, can yet clarify and even change the conditions.

Moreover, the creation of a working group (GT) is a total inconsistency of this government, for how does it intend to consult us, if the very Ordinance 303 provides that neither our own communities nor Funai must be consulted about the occupation of our territories by (entities)units, stations and other military interventions, roads, hydroelectric dams and minerals of strategic importance.

At this stage, even the process of discussing the regulation of consultation mechanisms established by the ILO Convention 169 makes sense now.

Thus, dear relatives, APIB believes that we should follow up in mobilizing and fighting for the repeal of Ordinance 303 of the AGU. We hope and trust in the good will of all to keep us united around this common cause.

For the defense of the territorial rights of our people!

Articulation of Indigenous Peoples of Brazil – APIB

(Portaria 303) Carta circular da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil

Saturday, September 8th, 2012

Carta circular da APIB  sobre a suspensão da Portaria 303 e proposta do governo de criar grupo de trabalho (GT) para discutir as condicionantes às demarcações de Terras Indígenas

A Direção Nacional da APIB, reunida em Brasília esta semana, divulgou uma carta circular onde explicita mais uma vez sua posição sobre a suspensão da Portaria 303 e a proposta do governo  de criar um grupo de trabalho (GT) para discutir as condicionantes aplicadas à  Raposa Serra do Sol, e que a AGU pretende estender de forma inconstitucional às demais terras indígenas.

Leia a Carta  abaixo:

Circular APIB/005/2012

Brasília-DF, 05 de setembro de 2012.

Posição da APIB sobre a suspensão da Portaria 303 e proposta do governo de criar GT para discutir as condicionantes

Prezad@s parentes e parentas,

Como é de conhecimento de todos e todas, o Governo Federal, por meio da Advocacia Geral da União (AGU), publicou em 17 de julho do corrente ano a Portaria 303, cujo propósito seria normatizar a atuação das unidades desta Advocacia em relação às salvaguardas institucionais às terras indígenas. A Portaria é praticamente a transcrição literal das condicionantes instituídas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na Petição 3.388-Roraima (caso Raposa Serra do Sol).

A reação imediata da APIB foi manifestar publicamente o seu repúdio e exigência pela revogação imediata e integral deste ato autoritário, equivocado e inconstitucional do Governo, pois afronta de forma descarada os direitos originários dos nossos povos, garantidos pela Constituição Federal e por instrumentos internacionais como a Convenção 169 da OIT, que é lei no país desde 2004, e a Declaração da ONU sobre os direitos dos Povos Indígenas.

Diversas instituições, governamentais e não governamentais, personalidades, organizações e movimentos sociais se manifestaram no mesmo sentido. Especial repercussão tiveram as distintas manifestações e mobilizações protagonizadas por povos e organizações indígenas em distintas regiões do país (Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amapá, Pará,  Amazonas, Maranhão etc.), inclusive em Brasília, onde delegações vindas da Bahia, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Goiás ocuparam a sede da AGU, fatos que forçaram o governo a conversar com o movimento indígena em vários momentos. Todas estas delegações se mobilizaram ainda junto aos seguintes órgãos: Ministério da Justiça, Funai, Ministério da Saúde, Senado Federal, Câmara dos Deputados e STF.

A estas manifestações somaram-se manifestos das lideranças que compõem o Comitê Diretor do Projeto de Gestão Ambiental em Terras Indígenas (GATI), antigo Gef Indígena; o Fórum de Presidentes de Conselhos Distritais (CONDISIs) e a bancada indígena da Comissão Nacional de Política indigenista (CNPI). O plenário desta Comissão, que inclui a bancada governamental, aprovou no final dos trabalhos uma resolução em que recomenda à AGU a revogação da Portaria 303.

Percebe-se, desta forma, que todas as mobilizações reivindicaram a revogação integral da Portaria, ignorando a proposta da AGU de suspendê-la temporariamente, como foi até o dia 24 de setembro.

As lutas, porém, continuam. Muitas outras mobilizações e manifestos devem acontecer ainda no sul, nordeste e norte do país.

Em resposta a estas ações de indignação e pressão dos nossos povos e comunidades visando à revogação, o Governo propõe;

1) A suspensão da Portaria  303 “até o julgamento dos embargos de declaração postos contra  a sentença do STF que julgou a ação judicial relativa à Raposa Serra do Sol.”

2) “A criação de um Grupo de Trabalho composto pelo Ministério da Justiça, AGU, Funai, e representantes dos povos indígenas, com o objetivo de discutir as condicionantes estabelecidas na Portaria 303/2012 e outras formas de viabilização de processos de demarcação de terras indígenas”

Estas propostas foram formalizadas por escrito pelo próprio ministro da justiça a uma delegação de lideranças de Mato Groso na sexta feira, 31 de agosto.

A Posição da APIB, reunida em Brasília de 03 a 06 de setembro é profundamente contrária a estas propostas pelas seguintes razões:

1) Somente a suspensão da Portaria não resolve absolutamente nada, pois manterá latente os riscos de conflitos fundiários generalizados no país. Isto é, não implicará no fim da insegurança jurídica, política e social patrocinada pelo latifúndio, o agronegócio e outros setores econômicos (mineradoras, empreiteiras, setor energético) interessados nos nossos territórios e suas riquezas. A suspensão tampouco levará à redução das expectativas dos invasores de continuar ou retornar às nossas terras, inclusive aquelas já homologadas e desintrusadas.

A APIB entende que a suspensão só favorece o governo, que busca preservar a imagem do ministro da AGU, Luis Inácio Adams, que é forte candidato a ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF).

2) A criação de um GT para discutir a redução dos nossos direitos, especialmente territoriais, é um absurdo. Para que discutir as condicionantes, se além de terem sido criadas para o caso específico da Raposa Serra do Sol, são claramente prejudiciais e não podem ser generalizadas a todas as terras indígenas do país. Além do mais, o STF, ao julgar os embargos de declaração da Raposa Serra do Sol, ainda poderá esclarecer e até alterar as condicionantes.

Por outro lado, a criação de um GT constitui uma incoerência total desse governo, pois como é que ele pretende nos consultar, se a própria Portaria determina que nem as nossas comunidades ou a própria Funai precisam ser consultadas a respeito da ocupação dos nossos territórios por unidades, postos e demais intervenções militares, malhas viárias, empreendimentos hidrelétricos e minerais de cunho estratégico. Nem mesmo o processo de discussão sobre a regulamentação dos mecanismos de consulta estabelecidos pela Convenção 169 da OIT faz sentido neste momento.

Dessa forma, prezados parentes, a APIB considera que devemos seguir nos mobilizando e lutando pela revogação integral da Portaria 303 da AGU. Esperamos e confiamos no bom censo de todos para nos manter unidos em torno desta causa comum.

Pela defesa do direito territorial dos nossos povos !

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB


ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PORTARIA No- 303, DE 16 DE JULHO DE 2012

Saturday, September 1st, 2012

Dispõe sobre as salvaguardas institucionais às terras indígenas conforme entendimento fixado pelo Supremo Tribunal Federal na Petição 3.388 RR.

O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal e o art. 4º, incisos X e XVIII, da Lei Complementar nº 73, de 10 de fevereiro de 1993, e considerando a necessidade de normatizar a atuação das unidades da Advocacia-Geral da União em relação às salvaguardas institucionais às terras indígenas, nos termos do entendimento fixado pelo Supremo Tribunal Federal na Petição 3.388-Roraima (caso Raposa Serra do Sol), cujo alcance já foi esclarecido por intermédio do PARECER nº153/2010/DENOR/CGU/AGU, devidamente aprovado, resolve:

Art. 1º. Fixar a interpretação das salvaguardas às terras indígenas, a ser uniformemente seguida pelos órgãos jurídicos da Administração Pública Federal direta e indireta, determinando que se observe o decidido pelo STF na Pet. 3.888-Roraima, na forma das condicionantes abaixo:

“(I) o usufruto das riquezas do solo, dos rios e dos lagos existentes nas terras indígenas (art. 231, § 2º, da Constituição Federal) pode ser relativizado sempre que houver, como dispõe o art. 231, 6º, da Constituição, relevante interesse público da União, na forma de lei complementar”.

“(II) o usufruto dos índios não abrange o aproveitamento de recursos hídricos e potenciais energéticos, que dependerá sempre de autorização do Congresso Nacional”.

“(III) o usufruto dos índios não abrange a pesquisa e lavra das riquezas minerais, que dependerá sempre de autorização do Congresso Nacional assegurando-lhes a participação nos resultados da lavra, na forma da Lei”.

“(IV) o usufruto dos índios não abrange a garimpagem nem a faiscação, devendo, se for o caso, ser obtida a permissão de lavra garimpeira”.

“(V) o usufruto dos índios não se sobrepõe ao interesse da política de defesa nacional; a instalação de bases, unidades e postos militares e demais intervenções militares, a expansão estratégica da malha viária, a exploração de alternativas energéticas de cunho estratégico e o resguardo das riquezas de cunho estratégico, a critério dos órgãos competentes (Ministério da Defesa e Conselho de Defesa Nacional), serão implementados independentemente de consulta às comunidades indígenas envolvidas ou à FUNAI”.

“(VI) a atuação das Forças Armadas e da Polícia Federal na área indígena, no âmbito de suas atribuições, fica assegurada e se dará independentemente de consulta às comunidades indígenas envolvidas ou à FUNAI”.

“(VII) o usufruto dos índios não impede a instalação, pela União Federal, de equipamentos públicos, redes de comunicação, estradas e vias de transporte, além das construções necessárias à prestação de serviços públicos pela União, especialmente os de saúde e educação”.

“(VIII) o usufruto dos índios na área afetada por unidades de conservação fica sob a responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade”.

“(IX) o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade responderá pela administração da área da unidade de conservação também afetada pela terra indígena com a participação das comunidades indígenas, que deverão ser ouvidas, levando-se em conta os usos, tradições e costumes dos indígenas, podendo para tanto contar com a consultoria da FUNAI”.

“(X) o trânsito de visitantes e pesquisadores não-índios deve ser admitido na área afetada à unidade de conservação nos horários e condições estipulados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade”.

“(XI) devem ser admitidos o ingresso, o trânsito e a permanência de não-índios no restante da área da terra indígena, observadas as condições estabelecidas pela FUNAI”.

“(XII) o ingresso, o trânsito e a permanência de não-índios não pode ser objeto de cobrança de quaisquer tarifas ou quantias de qualquer natureza por parte das comunidades indígenas”.

“(XIII) a cobrança de tarifas ou quantias de qualquer natureza também não poderá incidir ou ser exigida em troca da utilização das estradas, equipamentos públicos, linhas de transmissão de energia ou de quaisquer outros equipamentos e instalações colocadas a serviço do público, tenham sido excluídos expressamente da homologação, ou não”.

“(XIV) as terras indígenas não poderão ser objeto de arrendamento ou de qualquer ato ou negócio jurídico que restrinja o pleno exercício do usufruto e da posse direta pela comunidade indígena ou pelos índios (art. 231, § 2º, Constituição Federal c/c art. 18, caput, Lei nº 6.001/1973)”.

“(XV) é vedada, nas terras indígenas, a qualquer pessoa estranha aos grupos tribais ou comunidades indígenas, a prática de caça, pesca ou coleta de frutos, assim como de atividade agropecuária ou extrativa (art. 231, § 2º, Constituição Federal, c/c art. 18, § 1º. Lei nº 6.001/1973)”.

“(XVI) as terras sob ocupação e posse dos grupos e das comunidades indígenas, o usufruto exclusivo das riquezas naturais e das utilidades existentes nas terras ocupadas, observado o disposto nos arts. 49, XVI e 231, § 3º, da CR/88, bem como a renda indígena (art. 43 da Lei nº 6.001/1973), gozam de plena imunidade tributária, não cabendo à cobrança de quaisquer impostos, taxas ou contribuições sobre uns e ou outros”.

“(XVII) é vedada a ampliação da terra indígena já demarcada”.

“(XVIII) os direitos dos índios relacionados às suas terras são imprescritíveis e estas são inalienáveis e indisponíveis (art. 231,§ 4º, CR/88)”.

“(XIX) é assegurada a participação dos entes federados no procedimento administrativo de demarcação das terras indígenas, encravadas em seus territórios, observada a fase em que se encontrar o procedimento”.

Art. 2º. Os procedimentos em curso que estejam em desacordo com as condicionantes indicadas no art. 1º serão revistos no prazo de cento e vinte dias, contado da data da publicação desta Portaria.

Art. 3º. Os procedimentos finalizados serão revisados e adequados a presente Portaria.

Art. 4º. O procedimento relativo à condicionante XVII, no que se refere à vedação de ampliação de terra indígena mediante revisão de demarcação concluída, não se aplica aos casos de vício insanável ou de nulidade absoluta.

Art. 5°. O procedimento relativo à condicionante XIX é aquele fixado por portaria do Ministro de Estado da Justiça.

Art. 6º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

LUÍS INÁCIO LUCENA ADAMS

Em resposta à “Porcaria 303” de 16 de Julho de 2012 da AGU que nada mais é do que uma declaração de guerra a nossos povos

Wednesday, August 22nd, 2012

Em resposta à “Porcaria 303” de 16 de Julho de 2012 da AGU que nada mais é do que uma declaração de guerra a nossos povos, dado o tamanho do disparate do “decreto jurídico”, segue a nossa Portaria, talvez este equivalente indígena da portaria editada pela AGU sirva para que eles, se vendo na posição que nos colocam com esta portaria, reflitam sobre o absurdo da mesma.

Art. 1º – Fixar a interpretação do usufruto das terras do Brasil pelos invasores portugueses e por seus descendentes a ser seguida por todas as nações indígenas que compõem o Brasil, determinando que os invasores portugueses e seus descendentes sejam tratados por nossas nações da mesma forma que nos trataram quando chegaram em nossa terra na forma das condicionantes abaixo:

(I) O usufruto das riquezas do solo, dos rios e dos lagos existentes nas terra invadidas há 500 anos e ora ocupadas pelo invasores portugueses e seus descendentes deve cessar imediatamente e com ele toda destruição provocada na natureza;

(II) Os portugueses e seus descendentes não poderão mais construir hidrelétricas que alaguem nossas terras e deverão limpar todos os rios e lagos que sujaram nesses 500 anos;

(III) O usufruto das terras invadidas não abrange a pesquisa e a lavra das riquezas minerais e todo o minério roubado de nossas terras deverá ser devolvido, bem como todos os locais de lavra deverão ser despoluídos;

(IV) Os invasores não poderão mais garimpar as terras que ocupam;

(V) O usufruto das terras invadidas não se sobrepõe às nossas culturas, poderemos andar nus em suas cidades e frequentar os seus espaços, armados como nos convier e não precisaremos avisá-los quando faremos estas coisas em suas cidades, afinal são terras invadidas e ocupadas ilegalmente e são nossas terras;

(VI) Nossos guerreiros poderão atuar nas terras ocupadas independente de consulta aos portugueses e seus descendentes;

(VII) O usufruto dos portugueses e seus descendentes não impede que cacemos em suas fazendas, nademos em suas piscinas e nem comamos sua comida, além de construirmos o que julgarmos necessário nas terras ocupadas e destruir o que eles construíram sem nossa autorização;

(VIII) Toda área ocupada pelos invasores deverá ser considerada área de conservação devendo ser recuperada por eles dos danos que cusaram nos últimos 500 anos;

(IX) O Instituto Chico Mendes que eles criaram cuidará dessas áreas de conservação;

(X) Nossos jovens poderão pesquisar os invasores e sua sociedade em horários e datas estipulados por nossos líderes e acatados pelo referido Instituto;

(XI) Devem ser admitidos o ingresso, o trânsito e a permanência de indígenas no restante das áreas ocupadas;

(XII) Os portugueses e seus descendentes não poderão nos cobrar nada quando estivermos nas terras ocupadas por eles, inclusive hospedagem, alimentação e transporte;

(XIII) Fica proibido cobrar das nossas nações tudo o que usarmos dos invasores;

(XIV) As terras ocupadas pelos invasores portugueses e seus descendentes não poderão mais ser vendidas, arrendadas ou dadas em garantia por eles e entre eles, poderão apenas usar;

(XV) É proibido aos invasores caçar, pescar, coletar e consumir frutos nativos mesmo que se trate de caça e pesca esportiva;

(XVI) Os invasores e seus descendentes não precisarão pagar impostos pelos 500 anos de ocupação, assassinatos, roubos e exploração, desde que recuperem o estrago que já causaram e nos deixem viver em paz;

(XVII) É vedada explicitamente a ampliação da área invadida;

(XVIII) Estes serão os direitos dos invasores sobre as terras que ocupam e eles são inalienáveis, imprescritíveis e as terras indisponíveis até que criemos um judiciário, e como eles façamos esse judiciário jogar nossas leis no lixo;

(XIX) É assegurada a participação de todas as nações indígenas no procedimento administrativo de demarcações das terras invadidas e ocupadas pelos portugueses e seus descendentes;

Art. 2º – Os procedimentos em curso que estejam em desacordo com as condicionantes indicadas no Art. 1º serão revistos no prazo de cento e vinte dias, contados da data de publicação desta portaria;

Art. 3º – Os procedimentos finalizados serão revisados e adequados à presente portaria;

Art. 4º – O procedimento relativo à condicionante XVII, também veta a demarcação de novas unidades;

Art. 5º – Os invasores portugueses e seus descendentes insatisfeitos com a presente portaria deverão pegar suas leis, suas constituições, seus judiciários e seu modo de viver e voltar para o lugar de onde vieram e de onde, aliás, nunca deveriam ter saído.

Art. 6º – Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Reflitam!

Uwira Xakriabá

Vice-Presidente CONDISI Altamira-PA

REPÚDIO CONTRA A PORTARIA 303 DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO QUE REAFIRMA OS ATAQUES DO GOVERNO DILMA AO DIREITOS TERRITORIAIS DOS POVOS INDÍGENAS

Friday, August 3rd, 2012

O Governo da Presidente Dilma, por meio da Advocacia Geral da União baixou no último dia 16 de julho a Portaria 303, que diz considerar “a necessidade de normatizar a atuação das unidades da AGU em relação às salvaguardas institucionais às terras indígenas”, supostamente nos termos do entendimento fixado pelo Supremo Tribunal Federal na Petição 3.388-Roraima (caso Raposa Serra do Sol).

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB manifesta publicamente o seu total repúdio a esta outra medida autoritária do Governo Dilma que como o seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, considera os povos e territórios indígenas ameaças e empecilhos a seu programa neodesenvolvimentista, principalmente à implantação do PAC e do PAC 2, pois dificultam os processos de licenciamento das obras do Programa (hidrelétricas, ferrovias, rodovias, usinas nucleares, linhas de transmissão etc.)

A APIB repudia esta medida vergonhosa que aprofunda o desrespeito aos direitos dos povos indígenas assegurados pela Constituição Federal e instrumentos internacionais assinados pelo Brasil. Entre outras aberrações jurídicas, a Portaria relativiza, reduz e diz como deve ser o direito dos povos indígenas ao usufruto das riquezas existentes nas suas terras; ignora o direito de consulta assegurado pela Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT); reduz o tratamento dos povos indígenas à condição de indivíduos, grupos tribais e comunidades; afirma que são as terras indígenas que afetam as unidades de conservação, quando que na verdade é ao contrário, e, finalmente, enterra, ditatorialmente, o direito de autonomia desses povos reconhecido pela Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas.

A Portaria 303 da AGU, publicada oportunamente depois da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e das pressões da OIT, e ainda às vésperas do recesso parlamentar, que poderia comprometer a aprovação de medidas provisórias e projetos de lei de interesse do Executivo, aprofunda o estrangulamento dos direitos territoriais indígenas iniciados com a paralisia na tramitação e aprovação do Estatuto dos Povos Indígenas, engavetado há mais de 20 anos na Câmara dos Deputados, e com a edição das Portarias Interministeriais 420 a 424, que estabelecem prazos irrisórios para a Funai se posicionar frente aos Estudos de Impactos e licenciamento de obras. Isso, sem citar em detalhes a aprovação da PEC 215 e a falta de coragem em vetar na íntegra as mudanças ao código florestal defendidas pela bancada ruralista.

A AGU desvirtua e pretende reverter o já arquivado processo do STF, cujo plenário conforme reiterado em 23 de maio de 2012 pelo ministro Ricardo Lewandowski, já declarou especificamente a constitucionalidade da demarcação contínua da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, observadas 19 condições ou salvaguardas institucionais. Só que tal decisão não tem efeito vinculante, segundo o magistrado. Ou seja, não pode ser forjada a ligação entre o processo da Raposa Serra do Sol com as demais Terras Indígenas do Brasil. Do contrário fica evidente o propósito deste Governo de submeter mais uma vez o destino dos povos indígenas, a demarcação de suas terras, aos interesses do agronegócio, do capital financeiro, das empreiteiras, da grande indústria, das corporações e da base política de sustentação que lhe garante governabilidade no Congresso Nacional e em outras estruturas do Estado.

Este tratamento dado aos povos indígenas não tem cabimento num Estado democrático de direito a não ser num Estado de exceção ou num regime ditatorial cujas políticas e práticas a atual presidente da República e seus mais próximos assessores conhecem bem.

Se o governo da Presidente Dilma tomar a determinação de levar em frente à aplicabilidade destes instrumentos jurídicos que legalizam a usurpação dos direitos indígenas, principalmente o direito sagrado à terra e o território. Estará notoriamente desvirtuando e tirando a credibilidade de seus propósitos ao chamar os povos indígenas, por meio de seus dirigentes e instâncias representativas, a dialogar sobre a promoção e proteção dos direitos indígenas no âmbito de distintos espaços como a Comissão Nacional de Política Indigenista (CNPI) e o Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) que promove a regulamentação dos mecanismos de aplicação do direito de consulta e consentimento livre, prévio e informado, estabelecido pela Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Além de tudo, irá contrariar os princípios da boa fé e do efeito vinculante deste instrumento internacional, incorporado desde 2004 no ordenamento jurídico nacional.

A APIB lamenta que um Governo que se diz democrático, em nome das pactuações que lhe dão sustentação, do progresso e do crescimento econômico, sacrifique os direitos coletivos e fundamentais dos primeiros habitantes deste país, que não obstante as diversas tentativas de dizimação promovidas pelo poder colonial e sucessivos regimes de governo, é depositário da maior diversidade sociocultural do mundo, com mais de 230 povos indígenas reconhecidos e várias dezenas de povos ainda não contatados.

A APIB reafirma a sua missão de lutar pela promoção e defesa dos direitos dos povos indígenas.

Brasília, 18 de julho de 2012.

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB