Archive for the ‘Cumbre de los Pueblos Río +20 / Cupula dos Povos RIO+20 / Peoples Summit Rio+20’ Category

Berlin: Aufruf zur gemeinsamen Teilnahme an der Klimademo am Sonntag, 21.9.2014

Friday, September 19th, 2014

Liebe Mitstreiter,
gemeinsam mit Tausenden von Demonstranten in New York, London, Paris und weiteren Städten auf allen Kontinenten wollen wir die Politiker, die am Klimagipfel 2 Tage später teilnehmen, an ihre Verantwortung für diese Welt erinnern! Die Filmaufnahmen dieser Demos werden auf der Konferenz gezeigt werden.

TREFFPUNKTE am 21.9. um 14:30 Uhr
14 Uhr – Alexanderplatz – Fußgänger Demo mit Silent Climate Parade.
14.30 Uhr – Mariannenplatz Kreuzberg – Fahrrad-Demo
16.30 Uhr – Potsdamer Platz/Ebertstraße (Vor ‘Vapiano’) – Kinder- und Familiendemo

All drei Demozüge führen zum MAL SCHNELL DIE WELT RETTEN am Brandenburger Tor.

In Richtung Straße des 17. Juni wird es eine eine Schnippeldisko-Vokü geben, Upcycling-Events und Workshops sowie Infos und Diskussionen mit Umwelt- und Klimagruppen.

ABLAUF:
Wir sammeln uns an den angegebenen Treffpunkten. Abmarsch Richtung Brandenburger Tor – Ankunft Brandenburger Tor: ca 17 Uhr. Dort beginnt dann eine große Kundgebung mit vielfältigem Programm bis in die späten Abendstunden. Wir sollten dort noch eine Weile beieinander bleiben. Zwischen 17:30 und 18:00 Uhr werden Luftballons auf den Weg nach New York geschickt.

Die Demos sind als Silent Climate Parade konzipiert: das heißt für die Fußgänger TANZEND zum Brandenburger Tor zu ziehen. Die Musik dazu kommt über Kopfhörer, die man sich individuell am Neptunbrunnen bei den Hauptveranstaltern ausleihen kann (Ausgabe ab 13 Uhr, Personalausweis dabei haben!). Abgabe der Kopfhörer ab 17 Uhr am Brandenburger Tor.

Weitere Informationen:
Alle Aktionen auf dieser Demo sind umweltfreundlich, Musik wird über Kopfhörer gehört, auch die Luftballons, die zwischen 17.30 Uhr und 18.00 Uhr am Brandenburger Tor auf den Weg nach New York geschickt werden, sind biologisch abbaubar.

Bitte auch Information in Englisch lesen: Like a Dull Knife: The People’s Climate “Farce” (Quincy Saul, Truthout)Klick hier

VIDEO: Rio+20 – Indigenous Peoples – Protest March – Free Land Camp – Peoples Summit – June 2012

Thursday, July 5th, 2012

This Audio-Visual Report was filmed by Rebecca Sommer in June 2012, at the Free Land Camp (Alternative space for Indigenous Peoples of Brazil) in the Peoples’ Summit during the UN Conference on Sustainable Development – Rio +20.

Chief Raoni and other indigenous leaders demand access to UN Rio+20 (Screenshot of VIDEO © Rebecca Sommer)

Chief Raoni and other indigenous leaders demand access to UN Rio+20 (Screenshot of VIDEO © Rebecca Sommer)

– Protest march and occupation of the headquarters of BNDES against the construction of Belo Monte Hydroelectric dam.
– Protest march in front of the Rio Centro (Place of the UN Conference in Rio +20) with the goal to deliver their Indigenous Free Land Camp Declaration.
– the struggle of the Brazilian Indigenous Peoples for the UN and the Brazilian Government to hear their grievances and demands, since most of them were almost excluded from the official discussion of the Rio+20 UN Conference. Several traditional leaders had no credentials to enter and participate in discussions in the UN event.

The traditional leaders were also disappointed by the indifference of the UN High Commissioner on Human Rights that had not responded to their request for a meeting with her during the Conference.

CLICK HERE TO WATCH THE VIDEO

CLICK HERE TO READ THE DECLARATION

Pirakuman Yawalapiti (Screen shot from video © Rebecca Sommer)

Pirakuman Yawalapiti (Screen shot from video © Rebecca Sommer)

VIDEO: Rio+20 – A luta dos Povos Indígenas Brasileiros – Acampamento Terra Livre – Junio 2012

Thursday, July 5th, 2012

Este Relatório de Audio-Visual foi filmado por Rebecca Sommer em junho de 2012, no Acampamento Terra Livre ( Espaço destinado para os Povos Indígenas Brasileiros) dentro da Cúpula dos Povos no período da Conferencia de Desenvolvimento Sustentável da ONU – Rio+20.

ACESSE O LINK PARA VER OU VIDEO

RAONI no ATL Rio+20 (Photo © Rebecca Sommer)

RAONI no ATL Rio+20 (Photo © Rebecca Sommer)

O vídeo monstra a luta dos Povos Indígenas Brasileiros para que a ONU e o Governo Brasileiro escutassem as suas reivindicações e demandas, já que estavam quase em sua maioria excluídos da discussão oficial da Conferencia. Vários representantes tradicionais dos povos indígenas não tinham nem sequer credenciais para entrar e participar das discussões no evento da ONU.

– Marcha de Protesto e ocupação da Sede do BNDES contra a construção da Hidroeléctrica Belo Monte

– Marcha de Protesto em frente ao RioCentro (Local da Conferencia da ONU na RIO+20 ) para entrega da Declaração Indígena elaborada pelo Acampamento Terra Livre.

As Lideranças tradicionais também ficaram desapontadas com o descaso do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, que nem sequer respondeu a solicitação de um encontro durante a Conferencia.

ACESSE O LINK PARA LER A DECLARACAO Acampamento Terra Livre

Indigenous Peoples Free Land Camp Declaration-Rio+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Declaração Indígena elaborada pelo Acampamento Terra Livre

Rio+20 (Photo © Rebecca Sommer)

VIDEO: BRAZILIAN INDIGENOUS PEOPLES DECLARATION RIO+20 (ATL) FREE LAND CAMP – PEOPLES SUMMIT

Thursday, June 21st, 2012

(non-official translation into English by Earth Peoples)

PEOPLES SUMMIT FOR SOCIAL AND ENVIRONMENTAL JUSTICE

AGAINST THE MERCALIZATION OF LIFE, IN DEFENSE OF THE COMMONS

LETTER OF RIO DE JANEIRO

FINAL DECLARATION OF FREE LAND CAMP IX LIVING WELL / HEALTHY FUL LIFE

Rio de Janeiro, Brazil, 15 to 22 June 2012

We, more than 1,800 leaders, representatives of indigenous peoples and organizations present (APIB – Articulation of Indigenous Peoples of Brazil – COIAB, APOINME, ARPINSUL, ARPINSUDESTE, indigenous peoples of Mato Grosso do Sul and Guasu ATY), COICA – Coordinator of Indigenous Organizations Amazon Basin, IOTC – Andean Coordinator of Indigenous Organizations, CICA – Indigenous Council of Central America, and CCNAGUA – Guarani Continental Council of the Nation and representatives of other parts of the world, gathered in the parallel space of organizations and social movements, the Free Land Camp IX, at the Peoples Summit, during the United Nations Conference on Sustainable Development (Rio +20).

After intense debates and discussions held during 15-22 June on the various issues that affect us, the violation of our fundamental and collective rights as a peoples, we express as one united voice our cry of indignation and outrage to the governments, corporations and society in the face of severe crises which beset the planet and humanity (financial crises, environmental, energy, food and social) as a result of the predatory neo-development process of the commodification and financialization of life and Mother Nature.

It is thanks to our resilience that we keep our people alive as a (distinct) peoples, with our rich, ancient and complex knowledge systems and our understanding of all live that guarantees existence, with its currently vaunted Brazilian biodiversity, which explains that Brazil is the host two major conferences on the environment. Therefore, the (Indigenous Peoples) “Free Land Camp” is of fundamental importance in the Peoples’ Summit, the space that allows us to reflect, share and build alliances with other peoples, organizations and social movements in Brazil and the world, who like us, believe in other forms of living than the one imposed upon us by the capitalist and neoliberal development model.

We advocate and defend plural and autonomous forms of lives, inspired by the model of Living Well/ Healthy Life, where Mother Earth is respected and cared for, where humans are just another species among all the other compositions of the multi-diversity of the planet. In this model, there is no room for so-called green capitalism, or to new forms of appropriation of our biodiversity and our traditional knowledge.

Considering the importance of the Peoples’ Summit, we elaborated this Declaration, to clarify in it the main problems that affect us today, and to indicate ways on how to establish new relations between States and indigenous peoples, with the vision to construct a new model of society.

Repudiations

In accordance with the discussions at the Peoples Summit, we repudiate the structural causes and false solutions to the crises which beset our planet, including:

· We reject impunity and violence, imprisonment and murder of indigenous leaders (in Brazil, where Kayowá-Guarani, Argentina, Bolivia, Guatemala and Paraguay, among others).

· We reject major projects in indigenous territories, such as dams – Belo Monte, Jirau and others; transposition of Rio S. Francisco, nuclear power plants; Canal do Sertão, ports, national and international Highways, production of biofuels, the road within TIPNIS in Bolivia, and mining projects throughout Latin America).

· We condemn the action of financial institutions such as BNDES – National Bank of Economic and Social Development, which finances large projects with public money, but does not respect the right of the affected populations to be consulted, including 400 regions in Brazil, and in all countries that BNDES operates, including Latin America and Africa.

· We reject REDD contracts, and carbon credits that are false solutions that do not solve environmental problems but seek to commodify nature and ignore the traditional knowledge and ancient wisdom of our peoples.

· We reject the reduction of indigenous territories.

· We reject all legislative initiatives that aim to weaken indigenous rights in order to serve the interests of big business, through the relaxation or distortion of indigenous and environmental legislation in several countries, such as the PEC 215 and the Forest Code in the Brazilian Congress and the proposed changes in Ecuador.

· We condemn the repression suffered by the Bolivian relatives at the Ninth March “Defense of Life and Dignity, Indigenous Territories, Natural Resources, Biodiversity, Environment and Protected Areas, the Compliance of CPE (Political Constitution of the State) and respect for democracy.” We express our solidarity with the relatives killed and arrested in this crackdown by the Bolivian state.

· We demand that dialogue between the United Nations and the Brazilian Indigenous Movement must be facilitated in an respectful manner by the UN system, such as that our representation that defends Collective Rights must be supported and legitimized by the Indigenous Peoples of Brazil.
.

Proposals

· We call for the protection of indigenous land rights. In Brazil, more than 60% of Indian territories were not demarcated and ratified. We demand the immediate recognition and demarcation of indigenous lands, including policies to strengthen the demarcated areas, including the removal of farmers and others that are invading other territories.

· We demand an end to impunity for the murderers and persecutors of the indigenous leaders. Indigenous leaders, women and men are murdered and the criminals continue to be free, and no action has been taken to charge them. We request that the instigators and executors that committed crimes (murder, robbery, rape, torture) against our people and communities are tried and punished.

· We demand the end to the criminalization of indigenous leaders. That the struggles of our peoples for their land rights are not criminalized by governmental authorities that should instead ensure the protection and implementation of indigenous rights.

· We demand the guarantee of the right to consultation and free, prior and informed consent of each indigenous people – in accordance with the ILO Convention 169, according to the specificity of each people, strictly following the principles of good faith of this binding Convention. We need to be respected and strengthened in the institutional fabric of each of our peoples, to have our own appropriate mechanisms for deliberation and representation, and to be enabled to participate in consultation processes with states.

· We call for the expansion of indigenous territories.

· We call for transparent and independent monitoring of watersheds.

· We call for the recognition and strengthening the role of indigenous peoples in the protection of biomes.

· We ask for the urgent demarcation of land for the people without assistance and camped in precarious situations, such as on riverbanks, roadsides and areas without sanitation infrastructure. In Brazil alone, there are hundreds of indigenous camps in this situation. 40% of the population of these camps are children.

· We call for the improvement of health conditions of indigenous peoples, such as in Brazil, to increase the budget of SESAI – Special Secretariat of Indigenous Health, the implementation of financial administrative and political autonomy of DSEIs (Special Indigenous Health Districts), and to guarantee the rights of indigenous peoples with disabilities.

· We want an Indigenous Education that respects the diversity of each nation and culture, with special and differential treatment for each language, customs and traditions.

· We demand that states implement effective policies to guarantee appropriate indigenous education, as etnoeducacionais territories in Brazil.

· We want an indigenous education with components of environmental education that promotes environmental protection and sustainability of our territories.

· We demand conditions for the development of our traditions and ancient ways of production.

Finally, it won’t be the false solutions that are proposed by governments – the so-called green economy, that will pay off the debts of States with our people.

We reiterate our commitment to unity of indigenous peoples as demonstrated in our alliance within our communities, with indigenous nations, organizations, the Indigenous Caucus and others.

THE SALVATION OF THE PLANET IS IN THE ANCIENT WISDOM OF INDIGENOUS PEOPLES

RIO DE JANEIRO, 20 JUNE 2012

APIB – Articulation of Indigenous Peoples of Brazil, COICA – Coordinator of Indigenous Organizations of the Amazon Basin, IOTC – Andean Coordinator of Indigenous Organizations, CICA – Indigenous Council of Central America, and CCNAGUA – Guarani Continental Council of the Nation

TO WATCH VIDEO (Audio-Visual Report):CLICK HERE

To download the Declaration in its original (Portuguese) click:HERE

Indigenous "Free Land Camp" (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous

DECLARAÇÃO INDIGENA DO BRASIL RIO+20 – 15 a 22 de junho de 2012 – ACAMPAMENTO TERRA LIVRE (ATL)

Thursday, June 21st, 2012

ACESSE O LINK PARA VER VIDEO

CARTA DO RIO DE JANEIRO
DECLARAÇÃO FINAL DO IX ACAMPAMENTO TERRA LIVRE – BOM VIVER/VIDA PLENA
Rio de Janeiro, Brasil, 15 a 22 de junho de 2012

CARTA DO RIO DE JANEIRO DECLARAÇÃO FINAL (Photo © Rebecca Sommer)

CARTA DO RIO DE JANEIRO DECLARAÇÃO FINAL (Photo © Rebecca Sommer)

Nós, mais de 1.800 lideranças, representantes de povos e organizações indígenas presentes, APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (COIAB, APOINME, ARPINSUL, ARPINSUDESTE, povos indígenas do Mato Grosso do Sul e ATY GUASU), COICA – Coordenadora de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica, CAOI – Coordenadora Andina de Organizações Indígenas, CICA – Conselho Indígena da América Central, e CCNAGUA – Conselho Continental da Nação Guarani e representantes de outras partes do mundo, nos reunimos no IX Acampamento Terra Livre, por ocasião da Cúpula dos Povos, encontro paralelo de organizações e movimentos sociais, face à Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

Depois de intensos debates e discussões realizados no período de 15 a 22 de Junho sobre os distintos problemas que nos afetam, como expressão da violação dos direitos fundamentais e coletivos de nossos povos, vimos em uma só voz expressar perante os governos, corporações e a sociedade como um todo o nosso grito de indignação e repúdio frente às graves crises que se abatem sobre todo o planeta e a humanidade (crises financeira, ambiental, energética, alimentar e social), em decorrência do modelo neo-desenvolvimentista e depredador que aprofunda o processo de mercantilização e financeirização da vida e da Mãe Natureza.

É graças à nossa capacidade de resistência que mantemos vivos os nossos povos e o nosso rico, milenar e complexo sistema de conhecimento e experiência de vida que garante a existência, na atualidade, da tão propagada biodiversidade brasileira, o que justifica ser o Brasil o anfitrião de duas grandes conferências mundiais sobre meio ambiente. Portanto, o Acampamento Terra Livre é de fundamental importância na Cúpula dos Povos, o espaço que nos possibilita refletir, partilhar e construir alianças com outros povos, organizações e movimentos sociais do Brasil e do mundo, que assim como nós, acreditam em outras formas de viver que não a imposta pelo modelo desenvolvimentista capitalista e neoliberal.

Defendemos formas de vidas plurais e autônomas, inspiradas pelo modelo do Bom Viver/Vida Plena, onde a Mãe Terra é respeitada e cuidada, onde os seres humanos representam apenas mais uma espécie entre todas as demais que compõem a pluridiversidade do planeta. Nesse modelo, não há espaço para o chamado capitalismo verde, nem para suas novas formas de apropriação de nossa biodiversidade e de nossos conhecimentos tradicionais associados.

Considerando a relevante importância da Cúpula dos Povos, elaboramos esta declaração, fazendo constar nela os principais problemas que hoje nos afetam, mas principalmente indicando formas de superação que apontam para o estabelecimento de novas relações entre os Estados e os povos indígenas, tendo em vista a construção de um novo projeto de sociedade.

Repúdios
Em acordo com as discussões na Cúpula dos Povos, repudiamos as causas estruturais e as falsas soluções para as crises que se abatem sobre nosso planeta, inclusive:
• Repudiamos a impunidade e a violência, a prisão e o assassinato de lideranças indígenas (no Brasil, caso Kayowá-guarani, Argentina, Bolívia, Guatemala e Paraguai, entre outros).
• Repudiamos os grandes empreendimentos em territórios indígenas, como as barragens – Belo Monte, Jirau e outras; transposição do Rio S. Francisco; usinas nucleares; Canal do Sertão; portos; ferrovias nacionais e transnacionais, produtoras de biocombustíveis, a estrada no território TIPNIS na Bolívia, e empreendimentos mineradores por toda a América Latina).
• Repudiamos a ação de instituições financeiras como o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, que financia grandes empreendimentos com dinheiro público, mas não respeita o direito à consulta as populações afetadas, incluindo 400 regiões no Brasil, e em todos os países em que atuam, inclusive na América Latina e África.
• Repudiamos os contratos de REDD e créditos de carbono, falsas soluções que não resolvem os problemas ambientais e procuram mercantilizar a natureza e ignoram os conhecimentos tradicionais e a sabedoria milenar de nossos povos.
• Repudiamos a diminuição dos territórios indígenas.
• Repudiamos todas as iniciativas legislativas que visem submeter os direitos indígenas ao grande capital, através da flexibilização ou descaracterização da legislação indigenista e ambiental em vários países, como a PEC 215 e o Código Florestal no congresso brasileiro e as alterações propostas no Equador.
• Repudiamos a repressão sofrida pelos parentes bolivianos da IX Marcha pela “Defesa da Vida e Dignidade, Territórios Indígenas, Recursos Naturais, Biodiversidade, Meio Ambiente, e Áreas Protegidas, pelo Cumprimento da CPE (Constituição Política do Estado) e o respeito a Democracia”. Manifestamos nossa solidariedade aos parentes assassinados e presos nesta ação repressiva do estado boliviano.
• Repudiamos a atuação de Marco Terena que se apresenta como líder indígena do Brasil e representante dos nossos povos em espaços internacionais, visto que ele não é reconhecido como legítimo representante do povo Terena, como clamado pelas lideranças deste povo presentes no IX Acampamento Terra Livre.

Propostas
• Clamamos pela proteção dos direitos territoriais indígenas. No Brasil, mais de 60% das terras indígenas não foram demarcadas e homologadas. Reivindicamos o reconhecimento e demarcação imediatos das terras indígenas, inclusive com políticas de fortalecimento das áreas demarcadas, incluindo desintrusão dos fazendeiros e outros invasores dos territórios.
• Reivindicamos o fim da impunidade dos assassinos e perseguidores das lideranças indígenas. Lideranças indígenas, mulheres e homens, são assassinados, e os criminosos estão soltos e não são tomadas providências. Reivindicamos que sejam julgados e punidos os mandantes e executores de crimes (assassinatos, esbulho, estupros, torturas) cometidos contra os nossos povos e comunidades.
• Reivindicamos o fim da criminalização das lideranças indígenas. Que as lutas dos nossos povos pelos seus direitos territoriais não sejam criminalizadas por agentes do poder público que deveriam exercer a função de proteger e zelar pelos direitos indígenas.
• Exigimos a garantia do direito à consulta e consentimento livre, prévio e informado, de cada povo indígena, em respeito à Convenção 169 da OIT – Organização Internacional do Trabalho, de acordo com a especificidade de cada povo, seguindo rigorosamente os princípios da boa-fé e do caráter vinculante desta convenção. Precisamos que seja respeitado e fortalecido o tecido institucional de cada um de nossos povos, para dispor de mecanismos próprios de deliberação e representação capazes de participar do processo de consultas com a frente estatal.
• Clamamos pela ampliação dos territórios indígenas.
• Clamamos pelo monitoramento transparente e independente das bacias hidrográficas.
• Clamamos pelo reconhecimento e fortalecimento do papel dos indígenas na proteção dos biomas.
• Pedimos prioridade para demarcação das terras dos povos sem assistência e acampados em situações precárias, como margens de rio, beira de estradas e áreas sem infraestrutura sanitária. Apenas no Brasil, existem centenas de acampamentos indígenas nesta situação. 40% da população destes acampamentos são crianças.
• Clamamos pela melhora das condições de saúde aos povos indígenas, como por exemplo, no Brasil, pelo aumento do orçamento da SESAI – Secretaria Especial de Saúde Indígena, a implementação da autonomia financeira, administrativa e política dos DSEIs – Distritos Sanitários Especiais Indígenas, e a garantia dos direitos dos indígenas com deficiência.
• Queremos uma Educação Escolar Indígena que respeite a diversidade de cada povo e cultura, com tratamento específico e diferenciado a cada língua, costumes e tradições.
• Exigimos que se tornem efetivas as políticas dos estados para garantia da educação escolar indígena, tal como os territórios etnoeducacionais no Brasil.
• Queremos uma educação escolar indígena com componentes de educação ambiental, que promova a proteção do meio ambiente e a sustentabilidade de nossos territórios.
• Exigimos condições para o desenvolvimento a partir das tradições e formas milenares de produção dos nossos povos.

Finalmente, não são as falsas soluções propostas pelos governos e pela chamada economia verde que irão saldar as dívidas dos Estados para com os nossos povos.

Reiteramos nosso compromisso pela unidade dos povos indígenas como demonstrado em nossa aliança desde nossas comunidades, povos, organizações, o conclave indígena e outros.

A SALVAÇÃO DO PLANETA ESTÁ NA SABEDORIA ANCESTRAL DOS POVOS INDÍGENAS

RIO DE JANEIRO, 20 DE JUNHO DE 2012

APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, COICA – Coordenadora de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica, CAOI – Coordenadora Andina de Organizações Indígenas, CICA – Conselho Indígena da América Central, e CCNAGUA – Conselho Continental da Nação Guarani

Rio+20: Indigenous Peoples protest BNDES – BELO MONTE

Tuesday, June 19th, 2012
Chief Raoni informs media why Indigenous Peoples have a Belo Monte Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Chief Raoni informs media why Indigenous Peoples have a Belo Monte Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous Peoples Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous Peoples Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous Peoples Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous Peoples Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous Peoples Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

Indigenous Peoples Protest at BNDS during RIO+20 (Photo © Rebecca Sommer)

CARTA de MATO GROSSO: Cupula dos povos e a Rio+20: Desafios e Perspectivas “Qual economia queremos”

Sunday, June 17th, 2012

Para ler a carta, cliqueCARTA de MATO GROSSO

CARTA de MATO GROSSO (Photo @ Rebecca Sommer)

CARTA de MATO GROSSO (Photo @ Rebecca Sommer)

CÚPULA DOS POVOS: O MOVIMENTO INDÍGENA E A RIO +20

Saturday, May 26th, 2012

O ano de 2012 será decisivo para as questões da saúde do nosso planeta. De 20 a 22 de junho, o mundo estará voltado para as discursões na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, evento global que reunirá centenas de participantes com o objetivo comum de encontrar saídas para a crise planetária em que vivemos. As organizações socioambientalistas, bem como o movimento indígena e a sociedade civil, unirão força na Cúpula dos Povos, um evento que ocorre paralelo à Rio + 20, e será um espaço de decisões e influência sobre os temas que serão abordados na conferência oficial. Vale lembrar que nós da Amazônia Brasileira, estaremos unidos com outras instâncias indígenas, nacionais e internacionais, também em um espaço próprio. Em junho, aldeiaremos o Rio de Janeiro, com mais uma edição do Acampamento Terra Livre, a maior assembleia indígena do Brasil. Esse será um espaço político de deliberação da nossa causa. E dentro desse espaço a COIAB e o movimento indígena como um todo, vai deixar bem claro o seu posicionamento com relação aos rumos que os governantes estão dando para as questões que afetam diretamente os nossos povos. No Brasil não há uma política de governo voltada às demandas dos povos indígenas. Até o momento, o Governo Dilma não recebeu o movimento para um diálogo franco e aberto. A principio, já não acreditamos que o diálogo com o governo brasileiro e a ONU seja transparente. Ele é prejudicado pela falta de clareza nos processo de organização do próprio evento. As pessoas que estão à frente do Comitê que organiza a RIO 20, no que diz respeito aos povos indígenas, não foram escolhidas com a participação do movimento indígena. Foi necessária muita intervenção das organizações indígenas, para colocar um representante legítimo no comitê organizador do evento, mesmo assim, somos prejudicados. Parentes, não podemos participar de um evento de tamanha envergadura como esses, somente para acender fogueira, dançarmos e cantarmos, como espera o governo. A violência do capitalismo que invade os nossos territórios precisa ser denunciada em todos os níveis. Os órgãos internacionais de defesa e promoção dos direitos humanos precisam tomar conhecimento das nossas realidades. Para os povos indígenas o desenvolvimento vem trazendo muita dor e sofrimento em nossas comunidades. Precisamos dar um basta nisso, pois temos a consciência que são os conhecimentos milenares dos povos indígenas que vão ajudar a salvar o planeta de crise climática em que vivemos. A nossa relação com os nossos territórios é base da nossa existência enquanto povos, a base do nosso Bem Viver e Vida Plena, em harmonia com a Mãe-Natureza. Esses direitos estão plenamente reconhecidos pela Convenção 169 da OIT – Organização Internacional do Trabalho, a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas e pelas constituições dos nossos países. A economia verde, que defendem os capitalistas, ameaça gravemente este nosso direito, por meio de políticas públicas que priorizam obras de produção e infraestrutura, grandes empreendimentos, sem considerar o nosso direito à consulta prévia. São inúmeras as grandes obras que invadem os nossos territórios no galope do desenvolvimento insustentável. As hidrelétricas nos rios da Amazônia, a Transposição do São Francisco, o agronegócio no Centro-Oeste, as Pequenas Centrais Hidrelétricas no sul do país, a criminalização das nossas lideranças que lutam por justiça, o Projeto TIPNIS na Bolívia, o Plano Puebla-Panamá, aliados à truculência dos governos e seus aparatos militares, vem perpetuando o sofrimento aos povos indígenas. É preciso denunciar essa violência, bem como construir alternativas que provoquem mudanças. Os governantes precisam de uma nova mentalidade para salvar o planeta. Para isso é importante estarmos engajados em nossa participação na RIO + 20. O Acampamento Terra Livre será o nosso espaço de discussão e deliberação de propostas que serão encaminhadas aos representantes mundiais.

COMO FUNCIONARÁ O ACAMPAMENTO TERRA LIVRE

O Acampamento Terra Livre será essa grande aldeia de todos os povos. De 17 a 22 de junho reuniremos as lideranças do Brasil, da Bacia Amazônica, da América Central e dos Andes. Estimamos a participação de 1220 indígenas só do Brasil, aliados aos parentes dos outros países, trataremos juntos de questões globais que afetam diretamente os nossos territórios e comunidades, como: Biodiversidade, produtos transgênicos, REDD, mudança climática, Gestão Ambiental e Territorial, Grandes Empreendimentos,Repartição de benefícios a partir da demanda indígena – Acesso a políticas e programas; Fortalecimento da produção indígena e, em especial Economia Verde. Como defendido no Grande Encontro Pan-Amazônico, a Cumbre de los Bosques, evento internacional que aconteceu no ano passado em Manaus, promovido pela COIAB, em parceria com a COICA, a Economia Verde é uma nova ferramenta do capitalismo para explorar os nossos territórios. Um verdadeiro engodo, travestido de politicas para as florestas, em projetos que se dizem sustentáveis, quando na verdade só contribuem para a depredação, o desmatamento, a degradação, por parte de minérios, hidrelétricas, agronegócio, estradas, entre outros. Como infraestrutura no Acampamento, contaremos com (01 tenda para auditório, 01 tenda para convivência, 30 tendas grandes para alojamento, colchonetes, redário para 200 redes, alimentação, som, banheiros, sanitários, água potável para beber, água para banho, iluminação, transporte interno dentro do espaço do Aterro e linha para a Conferência Oficial, gratuitos. A nossa participação na Rio +20, não se restringirá ao ATL. É importante inscrevermos nossas lideranças na Conferência Oficial, para fazerem as devidas intervenções. Também é válida a nossa participação nos stands para exposições diversas de materiais de divulgação e produtos indígenas. Para de fato garantirmos uma massiva participação do movimento indígena organizado, é fundamental já começar as articulações e mobilizações de parcerias (governos municipais e estaduais, ONGs, Ministérios da Cultura, MDA, MDS, Direitos Humanos e FUNAI). O momento é de luta, vamos juntar nossas forças em uma grande aliança pela igualdade e justiça social. 20 ANOS DEPOIS DA CÚPULA DA TERRA – A ECO 92 Em 1992 aconteceu no Rio de Janeiro, um grande evento de líderes mundiais por ocasião da segunda Conferência Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (que ficou conhecida como Eco-92) teve como um de seus resultados a formulação de documentos muito importantes. Porém, muitos dos termos desses documentos ainda não foram colocados em prática. Isso por tratarem de questões que estabelecem mudanças no comportamento dos países em relação ao meio ambiente. Essas mudanças deveriam ser implementadas tanto pelos países ricos quanto pelos chamados “países em desenvolvimento”. Considerada como o resultado mais importante da Eco-92, a Agenda 21, documento assinado por 179 países naquela ocasião, é um texto chave com as estratégias que devem ser adotadas para a sustentabilidade. Já adotada em diversas cidades por todo o mundo, inclusive através de parcerias e de intercâmbio de informações entre municipalidades, esse compromisso se desenrola no âmbito da cooperação e do compromisso de governos locais. Leva em conta, principalmente, as especificidades e as características particulares de cada localidade, de cada cidade, para planejar o que deve ser desenvolvimento sustentável em cada uma delas.

Alternative to the UN event, the Peoples Summit RIO+20 will not participate in preparatory event organized by the Brazilian government

Tuesday, May 8th, 2012

The Summit will not participate in Rio+20 preparatory event organized by the Brazilian government
Friday, 4 May, 2012

Regarding the invitation made to the Brazilian Civil Society Facilitation Committee at Rio+20 (CSFC) to participate to the Dialogues for Sustainable Development (DSD), we inform that :
During the last decades, networks and entities that compose the CSFC and organize the People’s Summit during Rio+20 for the Social and Environmental Justicehave fought – and keep on doing it – for the opening of participative and dialogue spaces aiming to conquest public policies improving the democratization of States, Social and Environmental Justice, and fair distribution of incomes and wealth.
Thanks to the social participation and to the dialogue between State and society, we have won important victories, that can be found in certain programs and policies that answer, although still weakly, to the people historical demands to fight inequalities. That is why we believe and invest in dialogue as one of the fundamental methods to push forward our demands. We will keep on trying to set up dialogues aiming at pressuring the Brazilian government, in order to respond our demands, as we are conscious that the Brazilian society is penetrated by conflicts of interest and that the role of each sector is to express their interests, while the government’s is to take these pressures into account and to make choices in terms of investments and policies.
According to us, the method set up by the DSD does not match this dialogue dynamic that we are trying to push forward. The DSD proposal was built up in a top-down approach, as the Brazilian government chose the themes, participants and facilitators, clearly showing that the Dialogues and their results would be controlled by the government itself. Conscious that the debated themes are objects of conflicts and heterogeneous visions, the method that consists in defining three recommendations per theme, chosen in a closed way, clearly means taking exclusive positions in a context in which we have no chance to influence the decision-making process. To take part to this dynamic means giving a free hand to the “civil society recommendations”, on whose results we wouldn’t have had the minimum impact.
The People’s Summit in Rio+20 for the Social and Environmental Justice during Rio+20 is an autonomous space, critical of the Official Conference’s agenda, and of the big corporations.
We have resistance positions and proposals regarding all the themes set up by the DSD, that express the accumulation of the organizations and Brazilian and international social movements fighting over rights, environmental justice, and against inequalities in Brazil and in the world. We will give our visions as much visibility as possible, for them to be seen and heard, using all sort of media. We hope that the proposals of the people who will be present at the Peoples’ Summit will be heard by society and the heads of state present at Rio+20.
The Civil Society Facilitating Committee at Rio+20
Rio de Janeiro, 02d of May 2012

Cumbre de los Pueblos no participará en evento preparatorio de Río+20 con el gobierno de Brasil Thursday, 3 May, 2012

Saturday, May 5th, 2012

Nota de esclarecimiento

A razón de la invitación lanzada por el Gobierno Brasileño al Comité Facilitador de la Sociedad Civil para Rio+20 (CFSC) referente a participar en los Diálogos sobre el Desarrollo Sostenible (DDS) informamos que:
A lo largo de las últimas décadas, las redes y entidades que componen el CFSC y realizan la Cumbre de los Pueblos para la Justicia Social y Ambiental para Rio+20, lucharon y siguen luchando hoy en día por la apertura de espacios de participación y diálogo persiguiendo la conquista de políticas públicas que hagan avanzar la democratización en los ámbitos de los Estados, la justicia social y ambiental, y la distribución de renta y riqueza.
A través de la participación social y del diálogo entre sociedad y gobierno, conseguimos importantes victorias expresadas en algunos programas y políticas que atienden, aunque tímidamente, las demandas históricas de los pueblos de disputa a las desigualdades. Consideramos por tanto el diálogo como uno de los métodos fundamentales para hacer avanzar nuestras demandas. Seguiremos buscando establecer diálogos que apunten a presionar a los gobiernos para que atiendan nuestras demandas.En nuestra percepción, el método establecido por los DDS no recoge esta dinámica de dialogo que estamos intentado hacer avanzar. La propuesta de los DDS fue establecida de arriba para abajo, habiendo el gobierno brasileño escogido los temas, los participantes y los facilitadores, indicando de forma inequívoca que los diálogos y sus resultados serán controlados por el gobierno.
Conscientes que los temas en debate son objeto de conflicto y de visiones muy heterogéneas, un método que pretende definir tres recomendaciones por tema, y además de ser escogidos de forma cerrada, seguramente significará la realización de elecciones excluyentes en un
ambiente donde no tenemos mecanismos efectivos de influenciar o proceso decisorio.
La Cumbre de los Pueblos para Rio+20 para la Justicia Social y Ambiental es un espacio autónomo, situado en el campo crítico en relación a la agenda de la conferencia oficial y de las corporaciones. Tenemos posiciones de resistencia y tenemos propuestas en todos los temas establecidos por los DDS, que incluyen los aportes de las organizaciones y movimientos sociales brasileños e internacionales que luchan por los derechos, por la justicia social y ambiental y contra las desigualdades en Brasil y en el mundo entero.
Por las razones expuestas, no participaremos de los DDS. Haremos que nuestras visiones sean conocidas y escuchadas a través de todos los medios de comunicación posibles. Esperamos así que las voces y propuestas de los pueblos que estarán representadas en la Cumbre de los Pueblos puedan ser oídas por la sociedad y por los jefes de Estado presentes en Rio+20.
Comité Facilitador de la Sociedad Civil para Rio+20
Rio de janeiro, 2 de mayo de 2012